Com contas reprovadas por uso inapropriado do dinheiro da Câmara, Callai quer concorrer novamente à presidência

Condenado por unanimidade

Acontece na próxima semana, a eleição para escolha da Mesa Diretora do biênio 2019/2020 da Câmara de Vereadores de Lucas do Rio Verde. O processo, que deveria acontecer no início de dezembro, foi antecipado em decisão tomada entre os vereadores. Os atuais membros da Mesa Diretora podem concorrer no novo processo eletivo, mas a cargos que não ocupam atualmente, conforme determina o Regimento Interno do Poder Legislativo.

Entre os vereadores, dois nomes surgem para disputar o cargo ocupado por Jiloir Pelicioli, o Mano da Saúde. Ambos já presidiram a Câmara Municipal: Dirceu Cosma (PV) e Airton Callai (PSB). A gestão Callai, aliás, foi um desastre, tendo as contas reprovadas por unanimidade pelo Tribunal de Contas do Estado, sendo condenado por uso inapropriado de dinheiro público.

De acordo com o TCE/MT, quando presidente da Câmara em 2014, Callai aplicou mal o dinheiro público destinado para publicidade das ações do Legislativo e usurpou as funções do Poder Executivo com a realização do PCC – Programa Câmara Cidadã. O ex-presidente chegou a recorrer várias vezes, mas todas as alegações apresentadas foram rejeitadas pelo Pleno do TCE/MT.

Na análise dos balancetes da Câmara, o Tribunal avaliou de forma negativa a gastança de mais de meio milhão de reais em publicidade. Para o TCE “evidenciou afronta ao Princípio da Economicidade”. Foi aplicado multa a Callai.

Apesar de ter sido alertado sobre o PCC, que implantou quando havia ocupado a presidência quatro anos antes, Airton Callai afrontou o TCE/MT e voltou a usurpar a função do Executivo. “Tendo em vista o desvirtuamento da função legislativa e a usurpação de competência do Poder Executivo Municipal”, assinalou o conselheiro João Batista.

Outro conselheiro, Luiz Henrique Lima, observou que a instituição do PCC em 2010 e 2014 coincidiu com o período eleitoral. “Será que foi mera coincidência?”, indagou Lima, deixando nas entrelinhas que o vereador buscava promoção com o desenrolar do programa. Callai chegou a lançar seu nome para concorrer a Assembleia Legislativa em 2014, mas recuou ao perceber que suas chances de chegar ao Legislativo Estadual pelas urnas eram remotas.

O histórico negativo apontado pelo Tribunal de Contas do Estado de Callai à frente da Câmara contraria a gestão Jiloir Pelicioli, que ao longo de dois anos de gestão devolveu recursos do duodécimo para investimento no município. Por meio da economia no gerenciamento da Casa, Mano destinou recursos para a saúde e segurança do município, sem a preocupação de assumir as funções de Executivo, mas de contribuir para a solução de problemas.

A eleição da Mesa Diretora ganha importância em razão do quadro político municipal. Com a eleição de Sílvio Fávero (PSL) para a Assembleia Legislativa, o cargo de vice-prefeito deverá ficar vago a partir de 1º de janeiro de 2019. Com isso, na linha sucessória, o presidente da Câmara substituirá o prefeito durante eventuais ausências. E tendo um orçamento de quase R$ 300 milhões para comandar, mesmo que temporariamente.

Fonte: ExpressoMT