Com proposta diferenciada, partido NOVO é apresentado em Lucas do Rio Verde

As eleições de 2016 foram as primeiras do partido NOVO, que tem como bandeiras a defesa do livre mercado e a redução do papel do Estado na vida do cidadão

Promovida pelo empresário do ramo do agronegócio, Miguel Vaz Ribeiro, a noite desta terça-feira (20) foi marcada pela brilhante apresentação das propostas e da ideologia do partido NOVO, que vem se firmando com outro jeito de fazer política, onde seus filhados e simpatizantes seguem a ideologia baseada na liberdade com responsabilidade.

Com registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desde 2015, o NOVO é um partido idealizado pelo empresário João Dionísio Amoêdo, executivo com passagens pela presidência do Citibank e do Itaú BBA.

Atualmente, o NOVO possui representação em 13 Estados e no Distrito Federal e espera até o segundo semestre deste ano expandir para Mato Grosso, Bahia, Paraíba e Sergipe.

Pautado pela desestatização, o partido é defensor do livre mercado e com a atuação direcionada somente na educação, saúde e segurança pública.

O NOVO não concorda com o tempo de propaganda gratuito na televisão, entre as propostas defendidas estão a desestatização de estatais, como a Petrobras, o incentivo ao empreendedorismo, a redução da carga tributária e do protecionismo econômico e estimular a liberdade ao indivíduo como criador de riquezas.

O NOVO também é contra a “reserva de mercado” para produções brasileiras, como a que já garante uma cota de exibição de filmes e seriados nacionais nas emissoras de TV a cabo. Também é veementemente contra o fundo partidário, defendendo um modelo no qual o cidadão escolhe qual partido financiar.

Uma das bandeiras do partido é a liberdade com responsabilidade com o modelo de representatividade política próxima ao cidadão. Isso porque avalia que o Estado não é o propulsor da economia, mas sim os indivíduos, que poderão empreender com mais facilidade e tendo a representatividade junto à classe política.

“Temos interesse em lançarmos candidaturas para deputado federal e senador, além da candidatura para a presidência da república em todos os Estados que temos já representação. Esperamos que o número de filiados e apoiadores cresça no Mato Grosso para que possamos lançar o processo seletivo em meados do ano”, ressalta, Eduardo Lunardelli Novaes que é o coordenador nacional do setor do agronegócio. Questionado a respeito de qual é o diferencial do partido NOVO, Eduardo elenca as propostas consideradas prioritárias e inovadoras no cenário político:

“Primeiro, somos um partido formado por não políticos em 2015 e que, já em 2016, elegeu os seus primeiros representantes em 4 capitais. Segundo, não utilizamos e somos contrários ao uso de dinheiro público para sustentar o partido e as campanhas. Recebemos contribuições mensais de aproximadamente 10.000 pessoas no Brasil por mês, com um valor médio de R$ 29,00. Terceiro, o NOVO, não permite o carreirista político, com isso, permite apenas uma reeleição dos seus candidatos para o legislativo. No executivo, a legislação já é assim. Os candidatos são escolhidos através de um processo seletivo, com etapas curriculares, entrevistas e ações práticas. Para 2018, aplicamos melhorias sobre o processo realizado em 2016, que foi um sucesso.”, ressalta.

Outra preocupação do NOVO é contribuir com a qualificação de candidatos no cenário político, o que leva a necessidade de submeter a testes de capacitação e qualificação.

Famoso por investir em políticas voltadas às futuras gerações, o ex-vice-prefeito de Lucas do Rio Verde Miguel Vaz Ribeiro, acredita que o partido NOVO fará a diferença nas próximas eleições.

Miguel Vaz Ribeiro agradeceu aos dirigentes do partido por terem aceitado o convite e se revelou estar muito entusiasmado com a apresentação do partido e acredita que o NOVO poderá fazer a diferença num futuro bem próximo. “Não temos mais tempo, precisamos reagir agora enquanto o país tem cura, se não provocarmos o start para as mudanças necessárias agora, certamente o Brasil padecerá.” Finalizou Miguel.

As eleições de 2016 foram as primeiras do partido NOVO, que tem como bandeiras a defesa do livre mercado e a redução do papel do Estado na vida do cidadão.

Em seu primeiro teste nas urnas, o NOVO elegeu quatro candidatos. A legenda concorreu em cinco capitais: Belo Horizonte, com 31 candidatos a vereador; no Rio de Janeiro, com um candidato a prefeito e 31 a vereador; em São Paulo, com 45 candidatos a vereador; em Curitiba, com 19 candidatos a vereador; em Porto Alegre, com 16 candidatos a vereador.

Os quatro eleitos são: Mateus Simões em Belo Horizonte; Leandro Lyra como vereador no Rio; Janaina Lima em São Paulo; e Felipe Camozzato em Porto Alegre.

Em São Paulo, a sigla obteve 140.769 votos, ficando à frente de partidos tradicionais como o PP, PDT e PCdoB.

O NOVO exige de seus filiados, caso eleitos, que dispensem carros oficiais e cortem o número de assessores e a verba de gabinete. Também estão proibidos de tentar se reeleger mais de uma vez.

O estatuto do NOVO ainda prevê que não há cobrança de percentual do salário do mandatário. Os candidatos ainda são vinculados as suas propostas com a definição prévia do compromisso de gestão e do compromisso de Atuação Legislativa, prevendo metas a serem cumpridas.

O NOVO ainda dá suporte aos candidatos por meio da criação de um órgão de apoio e controle, que desenvolverá técnicas, métodos e padrões de atuação com o intuito de gerar maior eficiência das atividades do candidato. O estatuto do partido e o processo de filiação podem ser encontrados no site www.novo.org.br