Ex-chefe de gabinete pede afastamento e prisão de Emanuel por obstrução a Justiça

Áudio manipulado

A defesa do ex chefe de gabinete do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), Sìlvio César Correa Junior, solicitou, junto ao ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, que analise uma eventual prisão preventiva e o afastamento do cargo do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB). Correa acusa Emanuel de obstrução à Justiça, ao articular com o ex-secretário de Indústria e Comércio de Cuiabá, Alan Zanatta, uma gravação que “comprovaria” que o vídeo em que aparece recebendo dinheiro não se trata de “mensalinho” durante o período em que ocupava o cargo de deputado estadual.
Além da análise da prisão preventiva, o ex-chefe de gabinete ainda solicita que não seja acatado o pedido de Emanuel Pinheiro para rescisão da colaboração premiada firmada por Sílvio Correa junto a Procuradoria Geral da República (PGR) e a abertura de uma investigação criminal sobre o “conluio” entre o prefeito e Zanatta para manipular uma suposta fraude na delação do ex-chefe de gabinete.
“Ainda complementarmente, caso se verifique a adulteração dolosa dos fatos mencionados no petitório do impugnante Emanuel Pinheiro, seja analisada a possiblidade de eventual decretação de prisão preventiva, em observância aos pressupostos de cautelaridade (fumus commissi delict e periculum libertatis), a fim de assegurar a correta tramitação da instrução processual, nos moldes do artigo 312, do Código de Processo Penal, ou a medida substitutiva de afastamento do cargo nos termos do artigo 319, VI do CPP”, solicita Correa.