Grupo político se considera traído por Taques e lançará candidato ao governo de MT

Todos contra Taques: “traídos” pelo governador criam bloco anti-reeleição

Caso Mauro Mendes recue, Otaviano Piveta poderá ser o candidato do grupo

Após almoço entre representantes de 9 partidos, o ex-prefeito de Lucas do Rio Verde e possível candidato ao Governo do Estado, Otaviano Pivetta (PDT), afirmou, em entrevista ao LIVRE na tarde desta segunda-feira (09), que o grupo, formado por vários ex-aliados do governador Pedro Taques, busca executar o projeto político-administrativo interrompido há quatro anos. “Ele (Taques) traiu todo mundo e perdemos quatro anos”.

Dentre os presentes no almoço, organizado pelo presidente regional do PDT, deputado estadual Zeca Viana, estavam o ex-vice-governador Carlos Fávaro (PSD), o ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (DEM), os deputados federais, Ezequiel Fonseca (PP), Fábio Garcia (DEM) e Adilton Sachetti (PRB), o deputado estadual Mauro Savi (DEM), o ex-senador Júlio Campos, o presidente do Pros, vereador Dilemário Alencar e o suplente de deputado estadual, Adriano Silva (DEM).

“A unanimidade entre esses partidos, o que nos une de maneira geral, é que ninguém mais aceita e tolera esse desgoverno. Essa calamidade administrativa. Vamos fazer o que era para ter começado a ser feito há quatro anos, quando o governador Pedro Taques foi eleito”, declarou Pivetta.

O ex-prefeito ressaltou ainda que seu desejo é que Mauro Mendes seja o candidato do grupo na disputa pelo governo. Disse, no entanto, estar preparado para a disputa, caso o ex-prefeito de Cuiabá desista. “Eu me sinto bem com essa possibilidade e preparado para isso, mas até o fim de abril vamos debater o projeto para o Estado e a partir de maio vamos começar a discutir os nomes”.

Pivetta não descarta, inclusive, que a oposição venha a ter mais de um candidato. “Não vamos vender a alma para unificar todo mundo. Se todos tiverem sensibilidade e humildade para construir um projeto para servir o Estado, estaremos todos juntos, se for para ganhar uma fatia do Estado, não vamos avançar. Em nosso projeto não tem lugar para empreguimos, para cabide”.

O pedetista, que foi coordenador-geral da campanha de Pedro Taques ao governo em 2014, também avalia que o grande número de ex-aliados de Taques hoje na oposição se deve à forma dele, de governar.

“Eu era um admirador dele. O discurso dele era sobre todos nossos anseios, mas a decepção já começou na transição. Ele se mostrou um ser possuído pela vaidade e pelo ego e o seu desgoverno comprova. Ele é um péssimo governador, muito inconveniente e um perigo iminente. Acha que é o bom e não consegue administrar o próprio ego e vaidade e a sociedade não pode ficar subordinada ao ego de uma pessoa”.

O ex-prefeito também disparou que o governador deveria desistir da candidatura à reeleição e pedir desculpas à população. “Se ele fosse uma pessoa normal faria isso, mas não imagino o que se passa na cabeça dele. Agora está dando rasteira para fazer uma base, uma sopa de letrinhas para ter tempo na televisão”.

Pivetta ainda rebateu acusações do governador de que teria tido interesses contrariados e por isso teria saído da base de apoio. “Eu trabalho desde os 14 anos, sempre fui produtivo, nunca esperei nada de governo nenhum. Ele está com um discurso Bolivariano, querendo colocar pobre contra rico, um discurso miserável. Eu torci como poucos por esse governo e sofri muito também”.

O almoço

Em nota, o presidente regional do PDT, deputado estadual Zeca Viana, informa que o almoço contou com representantes do DEM, PSD, PTB, PRB, PHS, PCdoB, PP e PROS e confirma que a união dos partidos se deve a frustração com a gestão do atual governo e disposição em construir um projeto alternativo.

Com MT Jornal