Sintonizado com Mauro e “mordido” com Taques, Pivetta se articula para disputar governo

Ex-prefeito de Lucas volta para PDT e entrará na briga se aliado do DEM desistir

Embora ainda não assuma publicamente, o ex-prefeito de Lucas do Rio Verde e ex-deputado Otaviano Pivetta começa a se articular, numa jogada sintonizada com Mauro Mendes (DEM), para ser candidato a governador. Ambos já formaram chapa ao Palácio Paiaguás, em 2010, quando perderam para Silval Barbosa. Em princípio, está acordado o seguinte: se Mauro recuar, Pivetta, hoje no PSB, retorna para o PDT e entra na briga como cabeça de chapa à sucessão do governador Pedro Taques (PSDB).

Este Blog apurou que, em meio às movimentações políticas do último final de semana, com reuniões internas de lideranças, inclusive na chácara do ministro e senador licenciado Blairo Maggi, ato do DEM para receber membros da direção nacional e novos filiados, e análise dos números do Ibope, realizado neste mês para consumo interno, as chamadas oposições se animaram para construir projeto alternativo, longe do palanque de Taques, que vai buscar novo mandato.

Entre os fatores determinantes, que instigam Pivetta, Mauro e aqueles que estão abandonando o barco pilotado pelo governador, são os índices de rejeição cravados sobre o tucano, com patamares considerados elevados.

No caso de Pivetta, este expõe certa mágoa de Taques, de quem foi coordenador da campanha vitoriosa ao governo, em 2014. Depois, ambos se distanciaram. O ex-prefeito afirma, em privado, ter sido “sacaneado” por Taques em 2016, quando era favorito à reeleição em Lucas e veio uma decisão judicial, às vésperas do pleito, prejudicando-o por causa da notícia de que estaria inelegível. Numa disputa milionária dos dois lados, Pivetta acabou perdendo a eleição par Luiz Binotti por uma diferença de apenas 122 eleitores: 14.166 a 14.408.

Mas qual a possibilidade de Pivetta entrar na corrida ao governo?

Mauro Mendes, no 1º discurso como filiado do DEM, ainda não decidiu oficialmente se disputará o Palácio Paiaguás

Ele próprio tem condicionado essa hipótese à situação do aliado Mauro. Apesar do discurso de pré-candidato a governador, reforçado no final de semana, inclusive com críticas à gestão Taques, o ex-prefeito cuiabano não decidiu oficialmente se vai mesmo peitar o tucano nas urnas. Ainda pesa o fato de estar se dedicando as empresas e ao processo de recuperação judicial. Pode não ter tempo hábil para equacionar essa questão e vir a desistir. Nesse caso, Pivetta, bem estruturado financeiramente e empurrado pelos segmentos do agronegócio e pelo conceito positivo e bons exemplos de gestão em Lucas, assumiria a candidatura e com apoio de Mauro.

Possibilidades

O cenário para as composições ao governo, ainda incipiente, está sendo desenhado com quatro nomes considerados fortes. Um teria Mauro ou Pivetta de cabeça de chapa. Os outros contemplam as candidaturas do senador Wellington Fagundes (PR), do ex-prefeito de Sorriso Dilceu Rossato (PSL), do governador Taques e até do vice Carlos Fávaro (PSD).

RD News